Publicado no "jornal de Cascais" de 4 de Julho de 2006

Sintra, Cascais e Oeiras

Miguel Mota

Portugal é um País privilegiado sob o ponto de vista da Natureza, com excelentes condições para a vida dos seus habitantes e, naturalmente, também para o turismo. O clima ameno e a paisagem agradável são aspectos gerais a todo o território mas algumas regiões têm particulares vantagens. O conjunto dos concelhos de Sintra, Cascais e Oeiras é uma dessas regiões mais favorecidas, conjugando maravilhosamente a praia e o campo. Comparável com ele talvez só o Algarve, este com a vantagem de a temperatura do mar ser um tanto mais alta do que na costa Oeste de Portugal. O conjunto de Sintra, Cascais e Oeiras beneficia ainda da proximidade da capital, que permite as vantagens de estar fora dos grandes centros e do seu congestionamento, mas suficientemente perto para lá chegar sem grandes demoras quando se deseje.
Essas vantagens não devem ser destruídas, mas antes valorizadas, para não serem anuladas por erros humanos. Dois sectores devem merecer particular atenção, porque podem contribuir para reduzir ou mesmo destruir aquilo que são excelentes qualidades naturais. Principalmente a urbanização e os transportes são dois campos em que os erros ou omissões podem diminuir imenso a qualidade de vida, tanto dos seus habitantes permanentes como dos turistas.
Em matéria de transportes com o exterior, principalmente a ligação à capital, há nítidas diferenças entre aqueles três concelhos. Sintra é a menos beneficiada, seja do ponto de vista ferroviário como rodoviário. Bem necessita de mais e melhores comboios e uma solução para esse horrível IC 19. Cascais e Oeiras estão bem melhor servidas, embora ainda haja alguns estrangulamentos na Marginal, particularmente no sentido Cascais - Lisboa, às horas de ponta da manhã.
Os erros urbanísticos cometidos em Cascais, particularmente na sua zona central, incluindo a entrada do lado de Lisboa, muito a prejudicaram. O trânsito no centro de Cascais é hoje bem pior que há alguns anos. Talvez a solução e a correcção dos erros cometidos seja difícil e cara. Mas se não for feita, as suas vantagens naturais serão grandemente diminuídas.