Enviado, por e-mail, em 17-4-2006 a DN, JN, CM e Público
(Com ajustamentos, para cada jornal)

As faltas dos deputados

Miguel Mota*

Noticiou o (CM, DN, Público, etc.) que o plenário da Assembleia da República em de 14-4-2006 não teve quórum porque faltaram 119 deputados, incluindo alguns que tinham assinado a folha de presença.
Se em Portugal tivéssemos um regime democrático, o remédio era fácil. Numa democracia, por definição, o poder reside nos cidadãos maiores de 18 anos e, claro, isso implica a liberdade de escolher a pessoa em quem, pelo voto, o cidadão delega o seu poder. Os que não cumprem satisfatoriamente, não voltam a ser eleitos. Na ditadura partidocrática em que vivermos, os deputados só devem obediência ao chefe do partido, que foi quem os escolheu para poderem ser eleitos. E se o chefe continuar a escolhê-los, o pobre cidadão nada pode fazer. Os portugueses, coitaditos, não sabem o que é democracia. Dizem-lhes que "isto" é "democracia" e eles acreditam. Santa ingenuidade!
Miguel Mota
MM 16-4-2006 1103

--- Foi publicado integralmente no "Público" de 18-4-2006, com o título "Santa ingenuidade!"

--- Foi publicado com cortes e alterações no "Correio da Manhã" de 19-4-2006, com o título "Faltas dos deputados merece reflexão"