Simpósio
OGM, Clonagem e Transgénicos
Oeiras, 14 de Novembro de 2003

Palavras de Abertura

Miguel Mota
Presidente da Sociedade Portuguesa de Genética

 

Em 1903 um grupo de agrónomos portugueses fundou a Sociedade de Ciências Agronómicas de Portugal, que em breve se tornou uma das mais prestigiadas sociedades científicas do nosso País. Simultaneamente, a Sociedade inicia a publicação da "Revista Agronómica", então mensal, que em breve era um valioso repositório de ciência, onde publicaram trabalhos científicos os nomes eminentes dessa época. É nela que, logo em 1904 - ia a Sociedade no seu segundo ano - é publicado o que julgo ser o primeiro trabalho português a relatar o trabalho de Mendel, num extenso artigo assinado pelo agrónomo J. V. Gonçalves de Sousa e intitulado "As Leis da Hybridação Segundo Mendel e de Vries". É uma cuidadosa e pormenorizada revisão do trabalho de Mendel, para dar aos portugueses informação sobre essa nova ciência.
Em 2003 comemoramos, portanto, o Centenário da Sociedade, o que tem vindo a ser feito através duma série de conferências e reuniões sobre variados temas.
Quando o Presidente da Direcção me convidou a organizar algo no âmbito da Genética pareceu-me adequado tratar de temas que têm sido matéria da discussão pública, nem sempre muito esclarecedora. É assim que "OGM, Clonagem e Transgénicos" são os temas que nos reúnem aqui hoje.
Pela natureza dos temas, associaram-se à organização do Simpósio a Sociedade Portuguesa de Genética (a cuja Direcção tenho a honra de presidir) e a Sociedade Portuguesa de Genética Humana.
Não quero encerrar estas Palavras de Abertura sem expressar os meus agradecimentos a todas as entidades que nos deram valioso apoio. Permita-se-me que destaque apenas uma, a Estação Agronómica Nacional, onde nos encontramos.
Dou as boas vinda a todos os participantes e desejo-lhes um bom trabalho.
Muito obrigado